segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

A Verdadeira Batalha Espiritual



Talvez você já tenha lido ou até mesmo participado de seminários que tratam do assunto Batalha Espiritual. E como você, eu também já ouvi falar muito sobre o assunto. Alguns foram bons, outros uma lástima, mas nenhum comparado ao que Jesus Cristo ensina a respeito em sua doutrina. Por que o espanto? Sim, Jesus falou muito sobre este assunto. Um tanto, antes de sua morte e outro quando veio trazer Apocalipse para João. Infelizmente, na maioria dos casos, os homens não tem apontado na mesma direção.

Para entrarmos neste assunto, é preciso entender que o reino do céu e o reino das trevas estão em pleno conflito, e você é um dos principais alvos deste conflito.

Antes da vinda do Filho de Deus como homem nesta esfera física, esta luta era travada contra a carne e o sangue. Não é mais o caso, hoje travamos batalhas contra hostes do inferno que atuam por meio das coisas materiais e acontecimentos quer sejam em casa, no trabalho, no templo onde congregamos, enfim, onde quer que estejamos, lá está um agente das trevas aguardando o momento certo para nos envolver com suas estratégias de morte. Quando se fala em batalha espiritual, me vem um personagem muito marcante na história de Israel. Um homem que foi poderosamente usado para destronar potestades que tinham se apoderado do rei de Israel e conduzido o povo da promessa para um caminho quase sem volta, não fosse a intervenção do Altíssimo.

Refiro-me a Jeremias, um profeta que se manteve fiel a Deus, e mesmo em face da morte não aderiu à apostasia de sua época. A corrupção se tornou tão grave que o povo não reconhecia mais a voz de Deus. O rei que era ungido para levar o povo na direção da justiça divina e manifestar a glória de Deus, estava tão carregado pelas suas concupiscências que se tornou um homem sem afeição pelo seu próprio povo e, extremamente rebelde a seu Deus, a ponto de ouvir a voz do Altíssimo pela boca do profeta Jeremias e não ter mais condições de identificá-la. Era tão intensa suas trevas que a resposta e solução enviadas por Deus a ele como soava-lhe como conspiração do mensageiro fiel.

Quantas vezes não nos pegamos assim endurecidos para Deus? Ao sermos exortados por alguém sentimos ódio. Querendo saber mais a respeito deste período pavoroso em Israel, leia o livro de Jeremias. Sua mensagem não era agradável, porque, por meio dele, Deus dizia que iria levá-los como cativos para a Babilônia, e aquele que não quisesse ser traspassado pela espada de Nabucodonosor deveria se render ao cativeiro de Babilônia. Cruuuzes!!! Que Deus cruel. Do ponto de vista do homem é muita crueldade sim. Mas colocando-se no lugar de quem esta comandando um exército a favor de sua própria pátria, defendendo leis nobres de vida e paz, e o mesmo exército se enveredando para o lado oposto adotando medidas que vão contra o seu plano de vitória, e já tendo advertido a este exército por inúmeras vezes sem sucesso, qual seria sua atitude? Vendo-se só, entregaria o seu reino para o adversário e “dane-se” os insubordinados, cuidando apenas de sua integridade física, ou lutaria até o fim ao lado dos traidores mesmo sabendo que seu fracasso seria certo? Não sei qual será a sua resposta, mas não foi nenhuma delas a ação de Deus.

Decidiu entregar Israel nas mãos de um outro império para não deixar apodrecer todo o povo com a corrupção, assim foi destruída a legislação corrompida. Desta maneira garantiu que dos remanescentes do cativeiro de Israel, um povo mais amadurecido, mais comprometido com sua justiça pudesse dar continuidade na missão para a qual foi criado.

É importante ressaltar que para Deus, o império inimigo não era o de Nabucodonosor, mas o reino das trevas, até então oculto aos homens. Neste período, a luta se travava contra a carne e o sangue. Ainda não existia remissão de pecados para os povos gentios, a aliança realizada com o sangue dos animais era restrita aos filhos de Abraão, pois era com eles que Deus tinha assumido compromisso. Esta aliança restringida à descendência de Abraão perdurou até Cristo, portador do sangue da nova e eterna aliança que fora derramada a favor de todas as nações, povos, tribos e linguas.

Naquela ocasião, o sangue de Jesus ainda não tinha sido derramado e nem o Espírito Santo que convence o mundo de pecado, da justiça e do juízo. E era exatamente isto que estava em jogo: A remissão por meio de Cristo. Satanás levou por diversas vezes o povo separado para longe dos objetivos de Deus, corrompendo-o a fim de impedir a encarnação do Verbo. Ele sabia que Deus se tornando carne por meio da aliança com Abraão, viria tirar dele tudo aquilo que conquistou através de Adão sobre a face da Terra.

A crueldade de Deus para com os perversos nada mais é do que o livramento para os justos. Digamos que você crie coelhos e percebe que o número deles está diminuindo e, um dia se levanta a noite e vai sondar o viveiro e lá encontra um de seus coelhinhos sendo devorado por uma raposa, qual seria sua atitude? É fácil julgar Deus tendo em vista somente o ângulo horizontal. Queria ver os blasfemos na mesma posição da que Ele se encontra, e pior, tendo que ser base para a justiça e proteção da vida em todos os reinos deste mundo.

Em outra matéria escrevi que o povo de Israel foi criado para ser o canal de entrada do Filho de Deus neste mundo físico, para que por meio Dele, tendo se encarnado, pudesse introduzir o homem no reino dos céus. Imagine se este povo tivesse se perdido assim como foi com uma de suas tribos chamada Dã? Como seria possível a o verbo se fazer carne? Jesus na condição humana, é resultado deste trabalho realizado através de séculos. Se Ele não tivesse vindo, a esta altura certamente a raça humana já não existiria mais. A fúria de satanás contra o homem, imagem e semelhança de Deus, já a muito teria sido extinta deste planeta. Ele é o ódio em pessoa e por mais que faça "favores" a alguém, seu objetivo final é roubar, matar e destruir.


Mas o que tudo isto tem a ver com batalha espiritual? Tem que somente aquele que conhece as ações do reino das trevas e também conhece as Leis que rege o céu e a terra é que pode dizer com propriedade a maneira certa de vencer o inimigo de nossas almas. E esta pessoa se Chama Jesus Cristo, porque além de conhecer estas verdades, venceu o inimigo com sua estratégia. E, somente esta estratégia é que pode nos conceder também tal vitória.

Muitos cristãos, dizem: “Tá amarrado em nome Jesus”. “Vamos pisar na cabeça do diabo.” Entre outros chavões e fazem só barulho sem o menor entendimento da Lei espiritual. Não vou entrar na questão em si, mas ressaltar alguns ensinos necessários para que possamos realmente vencer como filhos de Deus o diabo nesta caminhada terrena e assim garantir uma vida de vitórias espirituais que reflita em forma de bênçãos em todas as camadas de nossas vidas.



Fonte http://setimoshofar.blogspot.com.br/2012/02/verdadeira-batalha-espiritual.html