quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Vitamina "C"


A vitamina C ou ácido ascórbico como também é chamada, é uma das principais vitaminas presentes no nosso organismo, devido o importante papel que desempenha na fisiologia humana.

A melhor maneira de se obter a quantidade necessária desta vitamina é através da alimentação. Com isso, devemos ingeri – lá diariamente, já que a mesma, não é armazenada no corpo e é destruída pelo calor e pela exposição ao ar. A dose diária recomendada é de 60 mg, para homens e mulheres acima de 15 anos, ou seja, o nosso organismo absorve apenas essa quantidade. A vitamina C 2g deve ser usada sob orientação médica por pacientes que apresentem déficit dessa vitamina.

A vitamina C encontra-se amplamente distribuída na natureza. As fontes mais importantes estão nas frutas secas – caju, goiaba, uva, laranja, limão, tangerina, manga e abacaxi ¬- e nas verduras ou hortaliças – brócolis, tomate, agrião, espinafre e couve.

Quando administrada por via oral, é rapidamente absorvida pelo intestino delgado. A absorção se dá início na mucosa bucal. É eliminada pela urina, fezes e leite materno.

A vitamina C apresenta várias funções no nosso organismo, tais como:

• Facilita a absorção de ferro pelo organismo;

• Atua na síntese de colágeno;

• É excelente na prevenção de gripes e infecções;

• Fortalece os capilares sanguíneos;

• É extremamente importante em tratamentos antialérgicos;

• Ajuda a fortalecer o sistema imunológico;

• Atua no organismo como um poderoso antioxidante;

• Dá resistência aos ossos e dentes;

• Atua no metabolismo de alguns aminoácidos.

A deficiência de acido ascórbico na alimentação dá origem a várias perturbações, como: mal-estar, irritabilidade, fadiga, cansaço, distúrbios emocionais, hemorragias nasais, artralgias, petéquias, hiperqueratose dos folículos pilosos, envelhecimento precoce, maior propensão a contrair doenças, dificuldade de cicatrização. Essas manifestações iniciais da deficiência evoluem para quadros clínicos mais graves e, finalmente, para o escorbuto, que é a expressão mais dramática na hipovitaminose C.

O escorbuto infantil manifesta-se mais freqüentemente por volta dos seis meses de vida e caracteriza-se por estado subfebril, diarréia, edema nas extremidades, anorexia, emagrecimento, anemia, parada no crescimento, fragilidade óssea. Nos adultos, os principais sintomas são: gengivas inchadas e avermelhadas; dentina porosa e descalcificada; dentes frágeis; fragilidade óssea e capilar; retardamento na cicatrização de feridas; degeneração generalizada das fibras musculares.

No estágio avançado do escorbuto há feridas supuradas abertas, perda dos dentes, e eventualmente morte.

Até os dias de hoje há um debate contínuo sobre a melhor quantidade diária a ser ingerida de vitamina C. Em termos gerais concorda-se que uma dieta balanceada e sem suplementos contém vitamina C suficiente para prevenir escorbuto em adultos saudáveis. Enquanto, mulheres grávidas, pacientes pós – cirurgias, fumantes, ou ainda, sempre que o organismo é submetido a um estresse oxidativo, devido à exposição à radiação, drogas, álcool, e fumaça de cigarro, os níveis de vitamina C nas células diminuem, sendo necessária sua reposição.

Há indícios também de que a vitamina C possa reduzir os espasmos em pacientes asmáticos, e que atue de maneira importante no sistema imunológico, sendo indicada sua ingestão. A Vitamina C, como já foi dito anteriormente, também age melhorando a absorção de ferro dos alimentos, oferecendo proteção contra a anemia ferropriva.

Sabe-se que o excesso de vitamina C, ou seja, doses elevadas podem provocar diarréia e causar precipitação de uratos, oxalatos e cálculos no trato urinário.

A Vitamina C pode interferir em testes laboratoriais. Por isso, antes de fazer exames laboratorial informe ao médico as drogas, vitaminas, minerais e outros suplementos que esteja ingerindo.

A vitamina C também pode ser utilizada como cosmético onde, ajuda na hidratação e na produção de substâncias que agem na renovação da pele. O seu poder antioxidante, estimula a eliminação de radicais livres — que são moléculas que causam danos às células e aceleram o processo de envelhecimento. Atua na produção de colágeno, essencial em tratamentos de rejuvenescimento. É indicada para pessoas que apresentam linhas de expressão, rugas e outros danos causados pela exagerada exposição ao sol.

Vitamina C + Zinco

O Zinco, por sua vez, apresenta importante papel na estrutura e funcionamento das membranas. Sua deficiência no organismo está relacionada ao retardo no crescimento, falta de apetite, má cicatrização de feridas, alterações da pele e maior susceptibilidade a infecções. A combinação da Vitamina C com o Zinco auxilia o organismo a utilizar todo o seu potencial de defesa. O Zinco age na proliferação adequada de células do sistema imune, enquanto que a Vitamina C é necessária para o bom funcionamento destas células. Eles agem portanto, através de diferentes mecanismos que se complementam. Esta associação de Vitamina C e Zinco pode ser administrada nos casos de:

• Risco elevado de se adquirir infecções;

• Carências de Vitamina C e de Zinco;

• Resfriados;

• Necessidades de suplementação (para fumantes, por exemplo);

• Cirurgias e para facilitar o processo de cicatrização.

O Zinco não deve ser utilizado por pacientes que apresentam insuficiência renal severa.

Vicka Mirrana

Farmacêutica – Loja São José